MAGAZINELUIZA

quarta-feira, 15 de março de 2017

DE ONDE VEM A ESPERANÇA?



Ó minha alma, espera somente em Deus, porque dele vem a minha esperança. Salmos 62:5
Quando chega a noite sombria, fica frio para se suportar, os momentos são complicados para se viver, as horas tornam-se decisivas para quem quer vencer, pois quanto mais a escuridão fica intensa, os ventos sopram mais fortes.
O medo passa a assolar a alma, e a solidão é o que resta, ela será a única companheira, aliada na dor. Todos se vão, os amigos se afastam, os mais chegados, desapegam. Para aonde se vão os irmãos? Tudo em volta parece flutuar, não porque fica leve, mas porque não existe mais chão, razão, ou motivação.
Abandono, essa é a sensação, o desespero se aproxima, logo, o melhor feito é a fé.
Mesmo que gotejem firme as gotas da angustia, é a certeza seja, a incerteza do que virá, do que pensar, do que fazer, para onde ir? Ainda assim, há esperança para ti. Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos. Jó 14:7.
É difícil segurar o medo, suportar a aflição, conter o desespero quando o mundo parece desabar sobre a nossa cabeça, mas, ficar firme quando os vendavais surgem é necessário.
O que fazer quando o espanto noturno persiste em rondar a nossa vida?
Porque na anseia de ver o amanhecer do dia, faz o tempo parecer não passar, o silêncio é o tudo que nos envolve, e o grito pedindo socorro que ecoa da alma, acelera dentro de nós, com mais intensidade que o soar de sinos.
Acredite, mesmo assim, há uma palavra para consolar. Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia,. Salmos 91:5
Bem sei eu, do que Deus pode fazer, sou tomada pela certeza que Ele é o Porto Seguro, Farol para direcionar em qualquer navegação.
Já tentaram me apagar, me abater, me fazer desaparecer, quiseram sumir com o som da minha voz. Fui vendida por irmãos, virei alvo de levianas acusações, os que me chamavam de benção, me amaldiçoavam em seus corações, sorrateiramente, distorceram a verdade para me diminuir, romperam a faixa da justiça para me fazer desfalecer, levantaram dedos de acusação. E, eu em plena aflição, perseverei em oração.
E nos meus gemidos e calafrios silenciosos, me apeguei mais a Deus, e Ele me susteve nos dias de plena consternação. Dores, lamentos e tristezas sobraram em minha alma, mas eu pressentia que Deus de mim, cuidava.
Como alguém que se acha totalmente perdido, eu fiquei, desacreditada e afligida estava, para quem eu estendi minhas mãos, com facas forjadas me apunhalava, e, se eu abrisse a minha boca para a verdade falar, me condenavam.
Vivi momentos, como aqueles que vivem em plena aflição, no corpo, na alma e no coração, ficaram os arranhões, sem eira me sentir, roubaram minha vinha, ususrparam minha constelação, queriam a minha unção, tiraram de mim o que com muitos rogos a Deus eu conquistei, e por muitas vezes, como morta, esquecida fiquei, em muito, sorrir com os meus lábios, mas sangrando estava o meu coração. Foi ai que eu me apressei, e corria cada dia mais, para Deus, desesperada, em seus braços me abandonei, dores profundas passei, mas sobrevivi, venci.
Percebi que no meu silêncio sustentava vidas, vidas que Deus confiava a mim, vidas especiais para Ele, disto me alimentei, mesmo sem forças, sem saber para onde ir, fui aos poucos respirando, foi quando notei que, as nuvens negras estavam se dissipando, dai que eu vi, literalmente, que logo após aquele extenso túnel escuro, existia um clarão, que era o olhar de Deus sobre mim.
Oh amargura profunda me alimentava, mas precisava continuar, não podia mas regressar, já tinha ido longe demais, tinha que continuar, e a tantos outros para Deus arrastar, mesmo naquela angustia severa, eu ouvia a voz de Deus, me dizendo; não temas contigo estou, continue a marchar, ninguém irá te destruir, tu és um tesouro especial para mim.
Que contraversão, enquanto pedras vinda de homens caiam sobre meu corpo, tentando me destruir, as mãos de Deus afagava o meu dolorido coração, e sobre as feridas e sangramentos que mim faziam, Ele derramava o balsamo da restauração.
Tudo passei, porém resistir, conseguir, abismos profundos eu saltei, em pedras pontiagudas pisei, espinhos também provei, em vales secos, habitei, lá eu ouvir, o folego de Deus, soprar vida, em mim.
Contrariei multidões, pois enquanto aguardavam o meu cortejo final, foram surpreendidos com o meu grito triunfal. Tu me escolheu Deus, isto já entendi, e não serão poucos os olhos que te verão em mim e através de mim.
Fui abatida, e, de princesa para escrava, fui condicionada, ofendida e ferida me vi, sorrateiramente tramaram contra mim, até forcas ergueram em minha intensão, roubaram os meus sonhos, destruíram o meu castelo, vezes, a sepultura visitei, mas Deus olhou para mim e me estendeu a sua mão, tirou me de charco tenebroso e firmou-me na sua direção. Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos.Salmos 40:2
E quando me arremessaram em alto mar da dor e do descaso, Deus mandou tudo se acalmar, e aqueles que ficaram de guarda esperando me ver naufragar, estremeceram, porque viram Jesus no meu barco, a velejar. 
Já lançaram-me no calabouço, e em uma prisão me sentir, por fornalha acessa, eu andei, entre leões famintos descansei. Me enviaram para Lodebar, mas esquecida não fiquei, todos os dias Deus lembrou de mim, por isso que cheguei até aqui.
Com tudo isso eu concluir, que nos momentos de aflição, o melhor é: confiar em Deus.
E quando tudo parecer ter chegado ao fim, acreditar que do Céu, uma porta vai se abrir.
Nenhum lugar é escuro demais que Deus não consiga enxergar, e nem longe o suficiente, para que Deus não possa ir.

Pra. Elza Amorim Carvalho
Pequena Serva Em Serviço Do Reino de Deus.
Essenciadedeus2012@gmail.com
Convite para ministrar: Elzacarvalho68@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário